Aviso prévio: o que o síndico precisa saber

No artigo de hoje, nós iremos elencar as peculiaridades que um síndico precisa saber sobre aviso prévio

aviso prévio funcionário condomínio

O condomínio, para funcionar plenamente, normalmente conta funcionários – sejam eles vinculados ao prédio ou terceirizados.

Eles podem ser funcionários de portaria, de limpeza, de zeladoria e até mesmo de segurança privada, a depender do local e do porte do condomínio.

Quando estão sob responsabilidade do síndico, é ele quem deve planejar as escalas, as férias, as substituições, a organização da rotina de trabalho, a compra de materiais para desempenho das atividades, entre outras funções.

Mas, é claro, como todo gestor de empresas, o síndico também pode se ver na necessidade de dispensar algum funcionário.

Por conta disso, nós elaboramos este artigo com os principais pontos sobre o aviso prévio. Confira!

O que é o aviso prévio?

O aviso prévio é a comunicação por escrito que uma das partes do contrato de trabalho (empregado ou empregador) informa a outra sobre o rompimento do acordo, sem justa causa.

É um direito garantido pela Consolidação das Leis do Trabalho tanto ao funcionário quanto ao empregador, para os contratos por tempo indeterminado e com carteira assinada.

Esse direito ao desligamento do vínculo trabalhista deve ser informado à parte interessada com pelo menos 30 dias de antecedência.

aviso prévio síndico

O aviso prévio possui a finalidade de dar à parte tempo para tomar as providências necessárias. Para o empregador, seria encontrar um novo funcionário. Para o empregado, seria encontrar um novo emprego.

Como o aviso prévio funciona?

Conforme mencionado acima, o pedido de rescisão do contrato de trabalho pode partir do empregador ou do empregado.

Quando for opção da empresa, ela poderá escolher se o empregado deve cumprir o período do aviso prévio trabalhando ou se ele será dispensado imediatamente.

No caso de pedido de rescisão por parte do empregado, ele deve formalizar seu pedido de demissão perante o empregador, cabendo à empresa decidir se ele irá cumprir ou não o período do aviso prévio.

Existem 3 tipos de aviso prévio: o aviso prévio trabalhado, indenizado ou cumprido em casa. Eles variam conforme a causa de desligamento do funcionário e a opção da própria empresa. Nós explicaremos como cada um deles funciona abaixo.

Aviso prévio trabalhado

Nesta hipótese, o empregado deve exercer as suas funções na empresa durante o período do aviso prévio.

Quando é a empresa quem demite o funcionário e ela exigir que ele trabalhe durante esse período, o empregado tem direito a trabalhar duas horas a menos por dia, ou, então, de não trabalhar por sete dias corridos ao final do prazo, para poder tomar providências e procurar um novo emprego. Se ele encontrar, estará liberado de cumprir o resto do aviso prévio.

Neste caso, se o funcionário faltar ou não cumprir esse período, ele pode ter o salário descontado no momento de calcular o valor da sua rescisão. O valor deve ser pago após o último dia do aviso prévio.

Já no caso em que o funcionário que pede demissão, ele pode fazer um acordo com a empresa para cumprir o aviso prévio de forma trabalhada, de modo que irá receber salário por esse período, com valor proporcional às férias e ao décimo terceiro salário.

Igual à hipótese anterior, a rescisão será paga após o último dia do aviso prévio.

Aviso prévio indenizado

Neste caso, não há necessidade de trabalhar durante o período do aviso prévio.

Se foi a empresa quem demitiu e ela não quer que o funcionário trabalhe no aviso prévio, ela deve pagar o salário integral desse período mesmo assim. O pagamento deve ser feito em 10 dias corridos após a data do desligamento.

Se foi o empregado quem pediu demissão e ele não puder trabalhar no período do aviso prévio, deverá pagar a multa de rescisão, que será descontada do valor do acerto. A cobrança da multa é facultativa por parte do empregador.

Aviso prévio cumprido em casa

Essa situação não é prevista em lei, apesar de bastante corriqueira.

Ela ocorre nos casos de acordo demissional, em que a empresa pede ao funcionário cumpra o período do aviso prévio em casa, sem ir para o trabalho.

Desta forma, as atividades profissionais são feitas de casa.

Essa é uma opção que acaba sendo escolhida pelas empresas para que tenham mais tempo de prazo para pagar o valor da rescisão, pois, caso contrário, o pagamento deveria ser feito em 10 dias após a demissão.

E o aviso prévio proporcional?

Foi criado com a Lei 12.506/2011, a qual determina que, além dos 30 dias do aviso prévio, podem ser acrescentados mais 3 dias para cada ano completo de trabalho na empresa.

O limite que se pode alcançar é de 90 dias de aviso prévio (período total).

O pagamento do aviso prévio proporcional é obrigatório nos casos em que o empregador manda o empregado embora sem justa causa. Se for o funcionário quem pede demissão, ele não paga e nem recebe o valor do aviso prévio, apenas deve cumprir os 30 dias de aviso.

O aviso prévio pode ser cancelado?

Sim, a lei permite que o aviso prévio seja cancelado, caso haja concordância da outra parte.

Nestes casos, o contrato de trabalho continua em vigor, como se não tivesse havido o aviso prévio.

A única coisa que precisa ser negociada é a devolução do valor da rescisão, caso já tenha sido paga pela empresa.

Qual o valor do aviso prévio?

Para saber qual o valor do aviso prévio que o funcionário irá receber, deve incluir em seu cálculo:

  • Salário
  • Gratificação de função, quando for o caso
  • Comissões
  • Horas extras habituais
  • Adicionais (tais como periculosidade, insalubridade, noturno)
valor do aviso prévio

Em outras palavras, o aviso prévio corresponde ao valor da última remuneração do empregado, contemplando todos os itens acima.

Nesse cálculo, não são incluídos valores de gorjetas e comissões pagas por terceiros.

Quando o aviso prévio não se aplica?

Não há incidência de aviso prévio nos casos de demissão por justa causa, contratos de experiência ou contratos por prazo determinado sem cláusula que autorize a rescisão antecipada por ambas as partes.

Em contratos de prestação de serviço (quando o funcionário é “PJ”), o aviso prévio pode ser negociado entre as partes livremente, por não se submeter a todas as regras de um contrato de carteira assinada (CLT).

A estabilidade se aplica durante o aviso prévio?

O entendimento jurídico é de que o aviso prévio faz parte do contrato de trabalho.

Diante disso, os síndicos precisam se atentar.

No caso de o empregado sofrer um acidente de trabalho durante o período do aviso prévio e precisar de afastamento pelo INSS, ele terá direito à estabilidade de emprego após receber alta.

O mesmo acontece com a funcionária que engravidar durante o aviso prévio. Ela terá direito à estabilidade até cinco meses após o parto, com pagamento integral do seu salário.

O que você achou do nosso artigo de hoje? Já conhecia todas as peculiaridades do aviso prévio? Conte para nós nos comentários!

Gostou desse artigo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário