Tecnologias que buscam defender condôminos e condomínios

Monitoramento e equipamentos pretendem  elevar a segurança e têm crescido em condomínios residenciais e comerciais

A elevação nos índices de assaltos e furtos a residências, empresas e condomínios tem feito com que empresas do setor da tecnologia de segurança, mesmo após o triênio de recessão no País, busquem atender o combate a esse tipo de violência, que se mantém em alta. Embora, segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública, haja uma redução nos índices nos primeiros quatro meses deste ano, 13.142 pessoas foram mortas por alguém que agiu intencionalmente ou assumiu o risco consciente de cometer assassinato.

De acordo com Walter Uvo, especialista do setor, que atua em tecnologia de segurança, a busca se dá em inovações como portaria remota, controles de acesso eletrônicos e biométricos, aplicativos, central de monitoramento à distância, entre outros. Para o profissional, o serviço de portaria e sistemas de vigilância se modernizou, e ter muitas câmeras e listas imensas com nomes cadastrados não são mais medidas suficientes quando há apenas um porteiro responsável por todas as demandas do local. “Nesse caso, uma central de monitoramento focada exclusivamente nessa função é a garantia de que há mais atenção no espaço como um todo e não em um ambiente por vez”, comentou.

Conforme Uvo, a Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese), que reúne fabricantes, distribuidores e prestadores de serviços de segurança eletrônica, mostra-se otimista quanto às perspectivas de mercado. O otimismo da entidade se confirma com o registro em 2018, que revela que o setor cresceu 8% e viu seu faturamento superar os R$ 6 bilhões. A Abese acredita que em 2019, os negócios continuam num ritmo bom, e, para o fim do ano, estes números serão maiores.

Exemplo para tal expectativa, segundo Uvo, que utilizou dados da Abese, é o crescimento no Brasil de cerca de 150% ao ano na oferta de portaria remota, fato que, segundo ele, contribui para o potencial dessa tecnologia ser cada vez mais utilizada e desenvolvida no País. “O porteiro convencional sai de cena para estar em uma central muito bem equipada e com vigilância 24 horas, já que a portaria remota é a automação e a gestão dos processos e acessos do condomínio remotamente, controlando todo o ambiente”, defendeu Uvo.

Portaria remota x Portaria eletrônica ou virtual

É necessário diferenciar para não confundir os serviços, pois portaria remota é diferente do sistema conhecido como portaria eletrônica ou virtual, em que os acessos ao condomínio são feitos por um interfone externo, com o número do apartamento ou casa que o visitante disca e é autorizado pelo morador a entrar. Na avaliação de Uvo, este modelo fragiliza a segurança, pois o morador não é especializado no assunto, além de correr o risco de uma criança atender e liberar a entrada de estranhos.

Conforme o especialista, já com o uso da biometria, 95% dos acessos aos condomínios são realizados eletronicamente, o que diminui em 22 vezes a probabilidade de a portaria ser enganada por alguém mal-intencionado. “É o mesmo sistema que funciona nos bancos quando, para fazer alguma transação ou saque, é necessária sua biometria para realizar um procedimento”, disse Uvos.

Quando se opta pela portaria remota, síndicos, moradores e funcionários envolvidos no prédio devem passar por um treinamento. Na primeira semana da implantação da nova tecnologia, é possível contar com um técnico responsável, sendo feito, logo no primeiro dia, o cadastramento da biometria e foto de cada um dos moradores. Nesse primeiro encontro, já é passado como funciona o sistema, manual e guia.

“Toda essa tecnologia também acaba provocando uma redução dos custos com questões de segurança, pois o sistema integrado, alarmes, câmeras e outros dispositivos permitem que ocorrências de problemas em equipamentos sejam resolvidas sem a necessidade de contratar empresas terceirizadas”, afirmou Uvo.

Nesse caso, a manutenção ainda fica mais em conta por estar dentro de um mesmo plano de contrato. “Mesmo assim, é preciso entender que a portaria remota tem um custo inicial mais alto que outros modelos de portaria, porém com mais eficiência em segurança, e a redução de custos chega a médio prazo”, concluiu o especialista.

Gostou desse artigo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

RECEBA NOSSAS NEWSLETTER

Um periódico quinzenal com depoimentos e todas as novidades da Portaria Remota.

Bitnami