Novidades legislativas em debate no Enacon

Advogados debateram temas que estão movimentando o mercado, como condomínio de lotes, direito de laje, multipropriedade, condomínio urbano simples, entre outros assuntos

As novidades legislativas foram tema do painel jurídico desta manhã, (10/10), do Enacon (Encontro das Administradoras de Condomínios), que acontece no Espaço Milenium, na zona sul de São Paulo. Em debate, os assuntos mais recentes, que têm despertado a atenção de gestores condominiais e advogados, como condomínio de lotes, direito de laje, multipropriedade, condomínio urbano simples, entre outros temas.

Coordenador do painel, o advogado Jaques Bushatsky, membro do Conselho Jurídico do Secovi-SP e pró-reitor da Universidade Secovi, iniciou o debate abordando um recente Projeto de Lei relacionado à portaria remota que, segundo ele, é mais um reflexo dos tempos atuais, de economia compartilhada e de incentivo à atualização. “Isso criou uma brecha para a criação de alguns projetos de lei que, basicamente, não proíbem a instalação desse tipo de equipamento, mas condicionam a sua instalação à permanência dos trabalhadores do edifício”, disse Bushatsky.

Para o advogado Eric Camargo, sócio do escritório DLA & Camargo Sociedade de Advogados, ideias como essa vêm na contramão do que se espera em termos de novidades e benefícios atrelados a um projeto de lei de qualquer natureza. “A escolha por esse modelo de controle de acesso está diretamente ligada à redução de valores dos rateios condominiais. Na verdade, essa exigência provoca um acréscimo de custos para o morador. Em suma, a medida fere a liberdade de escolha do condômino. ”

Outro ponto levantado por Camargo diz respeito às Convenções Coletivas de Trabalho dos empregados da área. De acordo com ele, algumas delas começam a trazer uma cláusula que proibia que os condomínios com funcionários orgânicos fizessem a migração para a portaria virtual. “Já temos decisões em alguns tribunais, que concederam liminar para a suspensão da medida. Por isso, acreditamos que a aplicabilidade dessa cláusula seja declarada inconstitucional”, declarou.  

Outro convidado do painel, o advogado João Paulo Rossi Paschoal, especialista em Direito Civil e Direito Imobiliário Empresarial, enfatizou a necessidade, independentemente de qual seja a inovação a ser implantada, que um trabalho prévio de conscientização e esclarecimentos de dúvidas seja feito com todos os moradores. “Esses assuntos de maior polêmica, por exemplo, que implicam em quebra de filosofia do que é aplicado no dia a dia, convém que, antes da decisão, seja alvo de uma farta explicação, acompanhada por visita e simulação dos técnicos responsáveis, demonstrando, na prática, o que se pretende fazer, antes de seguir diretamente para a convocação da Assembleia”, explicou. 

O advogado Luiz Ribeiro,  presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Bernardo do Campo e diretor jurídico da Acigabc (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), entidade que representa o Secovi-SP na região, abordou um tema recente, alvo de muitas dúvidas por parte de muitos profissionais da administração condominial. A Lei de Multipropriedade (13.777/2018) trouxe a possibilidade de adquirir uma fração de tempo de uso de uma unidade. No entanto, segundo Ribeiro, já é possível ir ao Cartório de Registro de Imóveis e desmembrar uma única matrícula em 52 partes, cada uma referente a uma semana do ano. No entanto, a legislação também prevê a possiblidade de haver a multipropriedade em condomínios edilícios, desde que esteja prevista na Convenção de condomínio.

Ao finalizar, Ribeiro colocou outra provocação: “e se um proprietário ficar devendo o condomínio? ”. Luiz Ribeiro explicou que o administrador pode pegar o boleto da cota condominial do mês e dividir por quatro – “os proprietários daquele mês”. “Quando um proprietário não paga e o condomínio tiver que entrar com ação judicial, não será possível penhorar a unidade, ou seja, somente os direitos sobre a referida semana”, concluiu.

Uma exposição de produtos e serviços para o segmento condominial completou a programação do Enacon 2019, que contou com o patrocínio de Bradesco, Atlas Schindler, Intelbras, Comgas, Souza Lima, Vila Velha, Superlógica, Vivo, Empresta Capital, Graber, Group Software, Haganá, Jupiter, Limpidus, Techem, Aster, Pormade e Minha Portaria. Apoio institucional da Aabic (Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo), entre outras instituições representativas do setor imobiliário.

Gostou desse artigo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

RECEBA NOSSAS NEWSLETTER

Um periódico quinzenal com depoimentos e todas as novidades da Portaria Remota.

Bitnami